Estudos Biblicos

A maravilhosa graça

postador por: Claudio F. Crispim
00 00 0000
21259
         


As riquezas da graça são concedidas aos membros do corpo de Cristo segundo o beneplácito que Deus propusera em Si mesmo de fazer convergir todas as coisas em Cristo ( Ef 1:10 ; Ef 3:11 ). Ao estabelecer Cristo como a cabeça do corpo, que é a igreja, todas as coisas convergem para Cristo, pois entre os filhos de Deus semelhantes a Ele, Cristo é proeminente: a cabeça. 

 


"Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens" ( Tt 2:11 )

Quando entendemos o real significado e todos as nuances que há na redenção do homem, constatamos que definir a graça de Deus somente como ‘favor imerecido’ constitui-se um reducionismo . Somente enfatizar que a salvação é favor imerecido não evidencia os elementos que compõe a maravilhosa graça de Deus que se revela em Cristo.

O reducionismo ocorre quando nos socorremos somente ao significado do vocábulo grego ‘charis’, o que por si só não evidencia a grandeza da salvação em Cristo. Há certa importância no fato de se verificar que, à época de Homero, o termo ‘charis’ significava ‘doçura’ ou ‘atrativo’, e com o passar do tempo, o termo evoluiu para ‘favor’, ‘boa vontade’, ’bondade’, mas isto não é tudo. 

Somente enumerar a quantidade de vezes que o termo ‘charis’ consta do Novo Testamento também não evidencia a ideia do tema, antes o primordial é considerar o termo no seu contexto, principalmente quando utilizado em conexão com a ideia da redenção. 

É assente que o termo graça é utilizado para descrever a disposição de Deus em ser favorável aos homens, apesar de não serem merecedores, como se lê: “Não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos recompensou segundo as nossas iniquidades” ( Sl 103:10 ), entretanto, como a graça de Deus é concedida sem macular a justiça de Deus, poucos conhecem como esta ‘transação’ ocorre. 

Como Deus demonstrou favor aos pecadores sem comprometer a juízo e a justiça? Como é possível Ele ser justo e justificador?  

 

"Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus" ( Rm 3:26 ) 

 

Queda

Para mensurar como se dá a maravilhosa graça de Deus se faz necessário lembrar que todos os homens caíram em desgraça por causa de um só homem que pecou – Adão. Por causa da ofensa de Adão todos os seus descendentes foram feitos pecadores, ou seja, nasceram alienados de Deus, distanciados de Deus, impróprios para Sua glória ( Rm 5:12 e 19; 1Co 15:21 ). 

A desgraça que se abateu sobre a humanidade não se deu por questões de ordem moral, antes pela ofensa de um só homem que pecou. Isto significa que os homens tornaram-se pecadores (em outras palavras: filhos da ira, filhos da desobediência) por serem descendentes da carne de Adão, e não por suas condutas inconvenientes nas relações sociais cotidianas. 

Por causa da filiação adâmica, todos os homens são formados em pecado e concebidos em iniquidade ( Sl 51:5 ), de modo que, desde o ventre materno estão separados de Deus, dai a designação ‘ímpios’.  

Quando a bíblia diz que os homens são ‘pecadores’ evidencia que todos os filhos de Adão são ‘errantes’ desde que nascem ( Sl 58:3 ). 

Em um único evento (a ofensa de Adão), toda a humanidade juntamente se desviou e se fez imunda “Desviaram-se todos, e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não, nem sequer um” ( Sl 53:3 ). Ora, o interprete deve divisar bem, ter bem nítido que os homens não se ‘fazem’ imundos porque são roubadores, homicidas, detratores, homossexuais, mentirosos, invejosos, etc., antes porque todos ‘juntamente’ são herdeiros da penalidade imposta a Adão. 

do que acabamos de evidenciar acima através da seguinte assertiva: "Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece" ( Jo 3:36 ). Ora, a ira de Deus permanece sobre os homens em função de não crerem em Cristo, e não em função de se portarem de modo inconveniente.

 

A ira

A ira de Deus permanece sobre aquele que não crê, porque quem não crê que Jesus é o Filho de Deus permanece filho de Adão, portanto herdeiro da ira, consequência da desobediência ( Ef 2:2 -3). 

O termo ‘ira’ não deve ser entendido como uma emoção ou sentimento colérico da parte de Deus. Da mesma forma que os descendentes de Adão são designados ‘filhos da ira’ para apontar-lhes a condição de sujeição ao pecado, o que não significa que são filhos de um sentimento colérico ou de uma emoção, a ira de Deus não se refere a um sentimento, antes à justa retribuição estabelecida para os filhos da desobediência de Adão. 

É significativo o fato de que, na bíblia, os homens não são designados ‘filhos do pecado’, antes são designados ‘filhos da desobediência’ ou ‘filhos da ira’. Isto porque a ‘filiação’ envolve duas questões: a) natureza, e; b) herança. Os filhos são participantes da natureza e da condição dos seus genitores e, consequentemente, tem direito a uma herança. 

Quando a bíblia diz que os homens são ‘escravos do pecado’, e não ‘filhos do pecado’, significa que, apesar de estarem ‘presos’ ao senhorio do pecado, há a possibilidade de serem livres. Mas, se a bíblia dissesse que os homens são ‘filhos do pecado’, significaria que não haveria a possibilidade de livramento da condição de filhos e, concomitantemente, não haveria como não receber a ‘herança’ desta filiação: ira. 

Dai a máxima: ‘O filho permanece para sempre em casa, o escravo não’ que abstraímos da resposta que Jesus deu aos seus interlocutores: “Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre” ( Jo 8:34 -35), e da fala de Sara: "E disse a Abraão: Ponha fora esta serva e o seu filho; porque o filho desta serva não herdará com Isaque, meu filho" ( Gn 21:10 ). 

Esta é uma triste descrição de como era os sistemas escravagistas, visto que aos escravos não era atribuído nenhum bem ou herdade, antes o que era liquido e certo aos escravos era a morte. Somente a morte livrava os escravos dos seus senhores, assim como a morte do marido torna livre a mulher ( Rm 6:7 ; Rm 7:2 ). 

Quando é dito que os homens são ‘filhos da ira’, significa que não há como escaparem da condição que lhe é pertinente e nem da ‘herança’ funesta que receberá. Quando é dito que os homens são ‘escravos do pecado’, a história muda, porque significa que ainda há esperança: a possibilidade de se verem livres da condição de escravos. 

Adão não foi gerado do pecado, antes criado por Deus. Quando pecou, Adão deixou de ser livre e passou à condição de escravo do pecado. Não se pode dizer que Adão é filho do pecado porque, na verdade, ele foi criado por Deus livre. A condição de servo só veio quando da ofensa, e em consequência, a morte. 

Com relação à existência, Adão era criatura de Deus. Com relação ao pecado Adão tornou-se servo. Com relação à ira tornou-se filho, pois em função da ofensa não passaria dele a penalidade estabelecida: a morte. Como a morte é certa, o homem é tido por filho da ira, pois não pode livrar-se da penalidade estabelecida em decorrência da desobediência. 

 

A possibilidade

Mas, como é possível o homem deixar de ser ‘pecador’?  

Como a escravidão é uma figura da sujeição do homem ao senhorio do pecado, a resposta para o homem deixar o jugo do pecado é morrendo!  

Na antiguidade, os escravos que não alcançavam a liberdade durante o curso de sua existência somente seriam livres do jugo da servidão quando morressem, visto que estavam presos por toda a vida aos seus donos por causa da lei. Somente a morte do escravo cortava o vínculo de servidão estabelecido pela lei, assim como somente a morte de um dos cônjuges interrompe o vinculo do casamento “NÃO sabeis vós, irmãos (pois que falo aos que sabem a lei), que a lei tem domínio sobre o homem por todo o tempo que vive?” ( Rm 7:1 ). 

O medo da morte era o que mantinha os escravos sujeitos a servidão por toda vida, visto que o instinto de preservação da própria existência falava mais alto. Bastava dar cabo da própria vida para se verem livres da servidão, no entanto, o medo da morte o que impedia "E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão" ( Hb 2:15 ).  

 

A morte é diferente de descer ao pó

O homem está morto por ter desobedecido ao que foi estabelecido no Éden: “E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás” ( Gn 2:16 -17).  

Quando Adão comeu do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal de imediato morreu, ou seja, a comunhão com Deus foi cortada e passou a estar sujeito a um novo senhor: o pecado. O homem (macho e fêmea) morreu para Deus, a única pessoa com que tinha comunhão. 

Após o homem ter morrido para Deus, Deus estabeleceu a dor na concepção da mulher e que o homem comeria do suor do seu rosto até que voltasse ao pó da terra, ficando estabelecida a morte física, quando os homens perdem a comunhão com seus entes queridos. 

Enquanto estava no Éden antes da ofensa, Adão estava vivo para Deus e o pecado ainda não havia entrado no mundo. Após pecar, Adão morreu para Deus, e passou a viver no pecado. Aqueles que vivem para o pecado estão mortos para Deus, e vice-versa. Se o homem descer ao pó da terra sem Cristo, para sempre estará separado de Deus. 

 

Justo 

Quando a bíblia diz que Deus é justo, significa dizer que Deus é a medida absoluta de retidão e equidade. Este atributo se observa por diversos fatores tais como:  

a) Deus não mente;

b) Deus não muda;

c) O culpado não é tido por inocente;

d) A pena não passa da pessoa do transgressor;

d) Não aceita suborno;

e) Suas leis são expressões da Sua natureza;

f) A ninguém oprime.

 

A retidão e a justiça de Deus verificam-se no Éden quando Deus dá o seguinte mandamento ao primeiro homem em um lugar perfeito: “De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás” ( Gn 1:16 -17). 

O mandamento dado no Éden é santo justo e bom porque nele estava implícito a liberdade do homem (De toda a árvore do jardim comerás livremente...), e o cuidado de Deus (... mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás).  

A ordem veta ao homem o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal pelas consequências (certamente morrerás), e não por opressão. O mandamento visava preservar a liberdade e a comunhão entre o Criador e a criatura, concedo a informação necessária para que o homem pudesse se guiar. 

A palavra de Deus é expressão da verdade (do que é real, do que é efetivo), de modo que, quando o homem exerceu a sua liberdade e comeu do fruto da árvore do conhecimento, as consequências se efetivaram: o homem passou a estar alienado de Deus (morto) e, em função do que era intrínseco ao fruto do conhecimento do bem e do mal o homem tornou-se como Deus (conhecimento do bem e do mal). 

Deus é imutável, não pode mentir e a sua palavra não volta vazia "Em esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos dos séculos" ( Tt 1:2 );  "Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo" ( 2Tm 2:13 ). 

Se Deus voltasse atrás na sua palavra permanecendo em comunhão com o homem após a ofensa, Deus não seria firme, fiel, justo e imutável. Primeiro por não ter cumprido com Sua palavra sendo firme e fiel. Em segundo lugar, decorrente do primeiro, estaria oprimindo o homem que, ao comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, claramente demonstrou que não confiava em Deus e que não queria permanecer em comunhão com ele. 

Manter o homem em comunhão após a ofensa seria arbitrário e opressivo da parte de Deus. Se a pena não fosse aplicada a palavra de Deus deixaria de ser verdadeira, consequentemente, não seria digno de confiança. Como confiar em quem não hora a sua palavra? 

 

Justiça 

Como o homem desobedeceu, a pena não poderia passar do homem, pois se outro sofresse a pena em lugar do transgressor não haveria justiça, pois o correto é a alma que pecar sofra as consequências “Então disse o SENHOR a Moisés: Aquele que pecar contra mim, a este riscarei do meu livro” ( Ez 32:33 ); “A alma que pecar, essa morrerá” ( Ez 18:20 ). 

É por isso mesmo que Deus diz: "De palavras de falsidade te afastarás, e não matarás o inocente e o justo; porque não justificarei o ímpio" ( Êx 23:7 ). Se Deus declarasse o ímpio justo, jamais seria justo.  

Observe que jamais Deus exterminaria o justo com o ímpio quando executa juízo: "Longe de ti que faças tal coisa, que mates o justo com o ímpio; que o justo seja como o ímpio, longe de ti. Não faria justiça o Juiz de toda a terra?" ( Gn 18:25 ). 

Ora, antes de abordar a solução dada para a condição do homem em sujeição ao pecado de modo gracioso, primeiro se faz necessário compreender como foi solucionado o problema de Deus declarar justo o ímpio "Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça" ( Rm 4:5 ).  

Antes de Deus justificar o homem, primeiro satisfez a Sua justiça "Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus" ( Rm 3:26 ). Qual justiça foi satisfeita? A estabelecida na lei outorgada no Éden que é santa, justa e boa, pois dela decorre que a alma que pecar morrerá. Daí a máxima: o salário do pecado é a morte ( Rm 6:23 ), e como todos pecaram por estarem na coxa de Adão, todos estavam sujeitos ao pecado por causa da morte "Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei" ( 1Co 15:56 ).  

Desde que Adão pecou e o pecado entrou no mundo, todos estão mortos em delitos e pecados, pois todos pecaram. Todos os homens estão alienados de Deus e, se descerem ao pó da terra, seguem ao juízo do grande Trono Branco perdidos para toda a eternidade ( Ef 2:1 ; Rm 3:23 ; Rm 5:12 ). 

Esta realidade foi descrita por João Batista desta forma: "E também agora está posto o machado à raiz das &



aacute;rvores; toda a árvore, pois, que não produz bom fruto, é cortada e lançada no fogo"
( Mt 3:10 ), uma releitura das palavras anunciadas pelo profeta Isaias: “Uma voz diz: Clama; e alguém disse: Que hei de clamar? Toda a carne é erva e toda a sua beleza como a flor do campo. Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do SENHOR. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente” ( Is 40:6 – 8). 

Sem exceção, todos os descendentes de Adão estão sujeitos à penalidade estabelecida no Éden: alienados de Deus, por isso são arrancados: “Ele, porém, respondendo, disse: Toda a planta, que meu Pai celestial não plantou, será arrancada” ( Mt 15:13 ).  

A primeira ação de Deus justo para redimir o homem foi substituir a desobediência de Adão pela obediência do último Adão (Cristo). Sem a substituição de ato: obediência pela desobediência, jamais haveria justiça e redenção, pois se um desobedeceu e muitos pecaram, segue-se que se um obedecesse, muitos seriam justificados ( Rm 5:15 ). Se um trouxe a morte, somente por um seria possível abolir a morte estabelecendo a vida "E que é manifesta agora pela aparição de nosso Salvador Jesus Cristo, o qual aboliu a morte, e trouxe à luz a vida e a incorrupção pelo evangelho" ( 2Tm 1:10 ). 

Sem a substituição de ato, obediência pela desobediência, jamais haveria meio de salvação que não contrariasse a natureza justa de Deus “Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos” ( Rm 5:19 ). 

Esta substituição de ato, obediência pela desobediência, só poderia ser feita por alguém livre de pecado, assim como esteve livre o primeiro homem. Para haver a substituição de ato, o Verbo Eterno que estava com Deus e que a tudo criara se fez carne e habitou entre os homens. Em tudo se fez semelhante aos homens, sujeitos as mesmas aflições e fraquezas ( Hb 2:18 ). 

Adão desobedeceu em um ambiente perfeito contrariando uma única ordem: ‘... dela não comerás’. O Verbo eterno quando em carne, apesar das aflições, fraquezas e tentações cumpriu toda a justiça, ou seja, nada ab-rogou da lei ou dos profetas ( Mt 5:17 ). A obediência de Cristo é demonstrada no fato de que Ele morreu segundo a ordem do Pai e morte de cruz "E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz" ( Fl 2:8 ; Hb 5:8 ).  

Ao resolver o problema da justiça através da obediência de Cristo ( Hb 10:9 -10), visto que Jesus foi obediente em tudo, através da carne do Cristo, Deus abriu um novo e vivo caminho pelo qual o homem passou a ter acesso a Ele "Pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne" ( Hb 10:20 ).  

O caminho foi aberto através da obediência, e não em razão de um sacrifício, pois de Cristo disse Deus: “Por isso, entrando no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste, Mas corpo me preparaste” ( Hb 10:5 ). É um equivoco entender que a salvação se deu em razão de Cristo voluntariar-se para oferecer o seu corpo em sacrifício, pois a oferta do corpo de Cristo, na verdade, se deu em obediência ao mando do Pai. A salvação se deu pela obediência de Cristo que, segundo a vontade do Pai derramou a sua alma na morte "Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai" ( Jo 10:18 ). 

Quando ouve as boas novas de salvação e crê que Jesus é o Cristo, o pecador morre com Cristo e é sepultado. A pena estabelecida não passa da pessoa do transgressor, visto que ao crer tomou sobre si a sua própria cruz e seguiu após Cristo. Ao crer no evangelho o pecador torna-se participante da carne e do sangue de Cristo, de modo que se conforma como Cristo na sua morte. 

Ora, a obediência de Cristo substitui a desobediência de Adão, e a carne de Cristo tornou-se um novo e vivo caminho de livre acesso a Deus, através da morte e ressureição de Cristo. O que falta ainda para a redenção do homem? 

Falta ao homem no pecado morrer satisfazendo o estabelecido na lei outorgada no Éden.  

Se o homem desce ao pó da terra sem crer em Cristo, segue para eternidade perdido, mas se o homem crê que Cristo é o Filho de Deus segundo as Escrituras, morre com Cristo e é sepultado com Ele ( Rm 6:3 -8). 

Na morte do pecador com Cristo a justiça do mandamento dado no Éden é satisfeita, pois a morte de Cristo só é substitutiva em relação à cruz do calvário, no entanto, todos os que creem tornam-se participantes da carne e do sangue de Cristo, ou seja, efetivamente crucificam o corpo do pecado e as suas concupiscências, morrem e são sepultados. 

 Mas, como está estabelecido que o homem deve morrer, para que Deus seja justo e a sua palavra permaneça firme, quando o homem crê em Cristo morre, sendo sepultado com Cristo.  

O homem que estava vivo para o pecado e morto em delitos e pecados para Deus, após morrer com Cristo, passa a viver para Deus. O crente em Cristo morre para o pecado, portanto, a justiça de Deus é estabelecida e o homem fica livre do seu antigo senhor, o pecado. 

 

A maravilhosa graça

"Para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus" ( Ef 2:7 ) 

O cristão precisa compreender o quão significativo é não ter contradição entre a graça e a justiça de Deus. Em nossos dias são poucos os cristãos que conseguem divisar bem que não há contradição alguma em Deus justo declarar justo o ímpio. 

É a palavra de Deus que garante justificação aos que creem em Cristo, no entanto, não haveria injustiça alguma em Deus se não houvesse resgate para o homem. Semelhantemente, quando o homem morre com Cristo, a justiça de Deus é satisfeita, pois se cumpre a palavra que foi estabelecida: “... certamente morrerás”, e não haveria injustiça alguma se só a comunhão fosse estabelecida na eternidade e o homem não ressurgisse com Cristo. 

É neste ponto que a graça de Deus se evidencia maravilhosa, pois ao crer em Cristo o homem alienado depois da morte merecida torna a ter comunhão com o Criador, ou seja, é vivificado e ressurge uma nova criatura por estar em Cristo “Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus” ( Ef 2:5 -6). 

Quando o crente morre com Cristo, o corpo está morto, visto que o vínculo com o pecado só é desfeito com a morte de quem servia o pecado, entretanto, apesar de o corpo ter sido crucificado, é vivificado pelo Espírito de Deus "E, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da justiça. E, se o Espírito daquele que dentre os mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dentre os mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita" ( Rm 8:10 -11). 

Daí as considerações paulinas: "Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram" ( 2Co 5:14 ). O corpo que pertencia ao pecado por ter sido gerado da semente corruptível de Adão ao ser crucificado (pela fé em Cristo) é causa de extinção do velho homem e da quebra de vínculo com o pecado ( Rm 6:6 ). Todos os que creem efetivamente morrem com Cristo, de modo que a ninguém devemos fazer referência segundo questões pertinentes à carne do pecado ( 2Co 5:16 ). 

Era comum os cristãos lembrarem do Cristo homem, porém, não compreendiam que aquele homem que foi crucificado, Deus o exaltou soberanamente, lhe conferiu um nome que está acima de todos os nomes, sujeitando a Ele toda as coisas ( Hb 2:8 ).  

Era comum aos cristãos primitivos fazerem referencia às questões da carne, como: - “Eu sou hebreu de hebreu”; Outros: -“Eu sou Romano de sangue, e não porque comprei cidadania romana”; E ainda aqueles: -“Eu tenho ciência, pois a filosofia tem o seu berço na Grécia”, etc. 

Dai o imperativo: a ninguém mais conhecemos segundo a carne, pois todos são filhos de Deus pela fé em Cristo: um novo tempo e uma nova vida, portanto, não havia mais judeus, grego, servo, livre, macho, fêmea, etc. ( Gl 3:26 -29). 

O corpo que pertencia ao pecado também é denominado de vaso para desonra, vaso da ira, preparado para a perdição ( Rm 9:21 -22). Ora, todos os homens que vem ao mundo entram por Adão, a porta larga, criados a partir do barro pelo poder de Deus, porém, por causa da semente de Adão, o produto final do barro (vaso) é a desonra, pois em Adão os vasos são para ira, preparados para perdição. 

Observe que o apóstolo quando fala do poder criativo de Deus de trazer o homem à existência enfatiza que Deus tem poder sobre o barro, e não sobre o vaso. Sobre o barro Deus tem poder, e faz vasos para honra e desonra, mas o que determina a honra e a desonra dos vasos criados são: o primeiro e o ultimo Adão – Adão e Cristo. 

A maravilhosa graça está em que Deus, por ter poder sobre o barro, utiliza a mesma massa que foram criados os vasos para desonra para fazer vasos para honra. O corpo do pecado que era para ser descartado, pelo espírito de Deus que nele habita, torna-se vaso de misericórdia, criado para honra “Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra? E que direis se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição; Para que também desse a conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que para glória já dantes preparou” ( Rm 9:21 -23). 

Ao ressuscitar aqueles que creem com Cristo Deus cria (bara) justos, e em seguida declara qual é a condição do novo nascido: justo. Aí está a essência da justificação: Deus só declara o homem justo quando o homem é criado de novo em verdadeira justiça e santidade ( Ef 4:24 ). 

O velho homem jamais é justificado (declarado justo), pois Deus jamais justifica o ímpio. No entanto, quando o homem morre com Cristo a justiça de Deus é satisfeita, e pelo poder da sua palavra, que é semente incorruptível, Deus faz a sua plantação que jamais será arrancada, pois a palavra de Deus permanece para sempre, assim como os que da palavra são gerados ( Mt 15:13 ; 1Pe 1:25 ; 1Jo 2:17 ). 

 

As riquezas da graça

“Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens...” ( Tt 1:11 )

 

Após enfatizar a necessidade de os cristãos terem um comportamento aceitável em sociedade, ou seja, portando-se de modo a não dar escândalo a judeus, gregos e nem a igreja de Deus, o apóstolo Paulo apresenta a razão: a graça de Deus em Cristo trouxe salvação a todos os homens! 

Os cristãos não devem ser causa de escândalo (vergonha) e nem deve se envergonhar do evangelho, o testemunho de Cristo ( 2Tm 1:8 ), pois é através do evangelho, que é poder de Deus e palavra de reconciliação, que o homem é salvo “... segundo o poder de Deus que nos salvou...” ( 2Tm 1:9 ); “Não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê...” ( Rm 1:16 ); "Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação" ( 2Co 5:19 ).  

Quando falamos de redenção, salvação, justificação, santificação, perdão, nova vida, regeneração, abordamos a maravilhosa graça de Deus demonstrada em Cristo Jesus, pois graciosamente o homem é chamado (καλέσαντος/kaleō) das trevas para a maravilhosa luz de Deus, e os que creem são transportados das trevas para o reino do Filho "Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" ( 1Pe 2:9 ); "O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor" ( Cl 1:13 ). 

Muitos são chamados (κλητοί=termo cognato derivado de kaleō) e poucos os escolhidos, ou seja, muitos ouvem o convite do evangelho, mas poucos são os que ouvem e creem. Muitos são convidados a entrar pela porta estreita, mas são poucos os que atendem o chamado ( Mt 7:13 ).  

Tudo o que abordamos até aqui refere-se à maravilhosa graça de Deus, anunciada desde o Antigo Testamento, da qual é participante todos os homens que em todos os tempos creem em Deus que anunciou redenção "Bem-aventurados aqueles cujas maldades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos" ( Rm 4:7 ). 

Mas aos que creem durante o tempo denominado plenitude dos gentios ( Rm 11:25 ), ou plenitude dos tempos ( Gl 4:4 ; Ef 1:10 ), além da maravilhosa graça, há as riquezas da graça, pois é conferido aos crentes uma herança. Além dos crentes em Cristo serem salvos pela misericórdia de Deus mediante a lavagem da regeneração e renovação afim de que fossem declarados justos, também fomos feitos herdeiros de Deus, coerdeiros com Cristo ( Tt 3:7 ; Rm 8:17 ; Rm 8:32 ). 

O chamado (κλητοί=termo cognato derivado de kaleō) pelo evangelho é um convite à salvação, e os salvos em Cristo segundo o poder de Deus (evangelho) são ‘chamados com uma santa vocação’ (καλέσαντος κλήσει). O chamado através do evangelho se deu na plenitude dos tempos, já o chamado com uma santa vocação se deu na eternidade (antes dos tempos eternos). 

Enquanto o chamado pelo evangelho visa a salvação do homem, a santa vocação tem em vista o próprio propósito que Deus estabeleceu em Cristo. 

A riqueza da graça é que todos os que creem em Cristo, além de serem transportados para o reino do Filho, já não possuem outro destino a não ser serem filhos de Deus para que Cristo seja o primogênito entre muitos irmãos ( Rm 8:29 ).

 Segundo o propósito eterno que Deus estabeleceu em Cristo de fazê-Lo primogênito entre muitos irmãos é que Deus estabeleceu antes dos tempos eternos (predestinou) que todos os que fossem participantes da carne e do sangue de Cristo através da igreja, seriam conforme a imagem de Jesus, ou seja, semelhantes a Ele ( 1Jo 3:1 -2). 

Deus não somente predestinou os membros do corpo de Cristo, a igreja, como também os elegeu antes dos tempos eternos para serem santos e irrepreensíveis diante de Deus ( Ef 1:3 ). De condenação alguma os filhos de Deus são passíveis, pois são participantes da natureza divina ( 1Pe 1:4 ). 

Ora, as riquezas da graça são concedidas aos membros do corpo de Cristo segundo o beneplácito que Deus propusera em Si mesmo de fazer convergir todas as coisas em Cristo ( Ef 1:10 ; Ef 3:11 ). Ao estabelecer Cristo como a cabeça do corpo, que é a igreja, todas as coisas se convergem para Cristo, pois entre os filhos de Deus que são semelhantes a Ele, Ele é proeminente: a cabeça. 

Foi estabelecido que em Cristo a igreja é herança, predestinação que visa especificamente o louvor da glória de Deus!


postador por: Claudio F. Crispim

Nasceu em Mato Grosso do Sul, Nova Andradina, em 1973. Aos 2 anos, sua família mudou-se para São Paulo, onde vive até hoje. O pai ‘in memória’ exerceu o oficio de motorista de ônibus coletivo e a mãe comerciante, ambos evangélicos. Claudio Crispim cursou o Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública na Academia de Policia Militar do Barro Branco e, desde 2004 exerce a função de Tenente da Policia Militar do Estado de São Paulo. É casado com Jussara e é pai de dois filhos, Larissa e Vinícius. É articulista do Portal Estudo Bíblico (www.estudobiblico.org), com mais de 200 artigos publicados e distribuídos gratuitamente na web.

Create Account



o que você procura ?