Estudos Biblicos

Por que o uso do termo ‘Eclésia’?

postador por: Claudio F. Crispim
00 00 0000
6827
         


O termo grego ἐκκλησία, transliterado ‘ekklésia’ quando utilizado por Cristo e os apóstolos tem o sentido de um corpo constituído de ‘IGUAIS’. O que se buscou destacar com o uso do termo ‘ekklésia’ é a ‘igualdade’, pois não há diferença entre os membros do corpo de Cristo “Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito” ( 1Co 12:13 ).


 

"Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela" ( Mt 16:18 )

 

A palavra ‘igreja’ traduzida do grego é ‘ekklesia’[1], e muitos apontam o significado do termo quando empregado no Novo Testamento como “chamados para fora”.

Seria este o significado da palavra traduzida por igreja? Por que Jesus utilizou especificamente o termo grego ‘eclésia’ para fazer referência ao seu corpo? Ou, por que os apóstolos utilizaram o termo grego ‘eclésia’ para fazer referência aos salvos em Cristo? Da onde os cristãos foram chamados para fora? Do ‘pecado’, do ‘mundo’, do ‘engano’, da ‘morte’, da lei?

Para respondermos estas perguntas, primeiro se faz necessário lembrar que a ‘igreja’ é o mesmo que ‘corpo’ de Cristo: “E sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos” ( Ef 1:22 -23); "E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência" ( Cl 1:18 ).

Os apóstolos, por sua vez, além de utilizarem a figura do corpo para fazer referência à igreja, também utilizam a figura da família e de um edifício em construção.

O apóstolo Paulo ao utilizar a figura da família destaca que os cristãos convertidos dentre os gentios não são estrangeiros e nem forasteiros ( Ef 2:19 ). Com relação a figura do edifício, o apóstolo dos gentios aponta Cristo como a pedra de esquina, e os crentes sobre-edificados n’Ele ( Ef 2:20 -22).

O apóstolo Pedro ao fazer referência ao templo de Deus diz que Cristo é a pedra viva, eleita e preciosa rejeitada pelos homens, e que cada cristão também é pedra viva ( 1Pd 2:4 -5).

O apóstolo João resume o que foi dito pelos outros apóstolos dizendo o seguinte:

“Nisto é perfeito o amor para conosco, para que no dia do juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos nós também neste mundo” (  1Jo 4:17 )

Observe que, tal qual Cristo é, os cristãos também são aqui neste mundo.

  • Jesus é pedra viva, os cristãos são pedras vivas ( 1Pd 2:5 );
  • Cristo é o Filho de Deus, os cristãos são filhos de Deus ( 1Jo 3:2 );
  • Cristo está assentado a destra da majestade nas alturas e o cristãos estão assentados nas regiões celestiais em Cristo ( Ef 2:6 );
  • Tal qual Cristo é são os cristãos neste mundo.

Lembrando que certa feita Jesus declarou que sua mãe, seus irmãos e suas irmãs são aqueles que fazem a vontade de Deus, e que aquele que crê em Cristo faz a vontade Deus e pertence à família de Cristo, temos elementos suficientes para determinar o motivo pelo qual o termo ‘eclésia’ foi selecionado para fazer referência ao corpo de Cristo! "Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe" ( Mt 12:50 ); "Jesus respondeu, e disse-lhes: A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou" ( Jo 6:29 ); "E o seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, segundo o seu mandamento" ( 1Jo 3:23 ).

O termo ‘eclésia’ não foi selecionado por Cristo e os apóstolos tão somente para fazer referência a uma assembleia pública, ou por se tratar de uma reunião democrática, como argumentam alguns teólogos, embora em alguns pontos do Novo Testamento o termo assume este significado pelo contexto. Ex: “Uns, pois, clamavam de uma maneira, outros de outra, porque o ajuntamento era confuso; e os mais deles não sabiam por que causa se tinham ajuntado” ( At 19:32 ).

“No NT, ‘igreja’ traduz a palavra grega ekklēsia. No grego secular, ekklēsia designava uma assembleia pública, e este significado ainda foi mantido no NT (At 19.32, 39, 41)” Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã.

De igual modo o termo ‘eclésia’ não foi selecionado por trata-se de pessoas ‘chamadas para fora de algo’.

A igreja de Cristo não se trata de ‘chamados para fora’ do mundo, pois apesar de os cristãos não pertencerem ao mundo, Jesus rogou ao Pai que não tirasse os seus seguidores do mundo “Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. Não são do mundo, como eu do mundo não sou” ( Jo 17:15 -16).

A igreja não se trata de pessoas chamadas para fora da lei ou do pecado, pois a Bíblia é clara ao demonstrar que todos que estão retidos pelo pecado e pela lei precisam morrer. A igreja não é constituída de pessoas chamadas do pecado, antes é constituída de pessoas que morreram para o pecado e para lei. A igreja é constituída de pessoas que ressurgiram com Cristo tornando-se nova criatura “De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?” ( Rm 6:2 ); "Mas agora temos sido libertados da lei, tendo morrido para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito, e não na velhice da letra" ( Rm 7:6 ).

A igreja não é composta de chamados dentre a morte, antes como o salário do pecado é a morte, cada cristão para ser justificado do pecado precisou morrer com Cristo "Porque aquele que está morto está justificado do pecado" ( Rm 6:7 ). Aqueles que compõe o corpo de Cristo na verdade estão mortos para o mundo, o pecado e a lei ( Cl 3:3 ), porém, ressurgiram e vivem para Deus em novidade de vida ( Cl 3:1 ; Rm 6:4 e 7:6 ).

O equívoco de que o termo Eclésia significa ‘chamados para fora’ ocorre porque no grego o termo ‘ekklēsia’ é a junção de duas palavras: ‘chamar’ (καλέω) e ‘fora’ (ἐκ). Embora os cristãos são chamados através do evangelho do reino das trevas para serem transportados para o reino do Filho do amor de Deus, ‘chamar para fora’ não é o significado ou a definição do termo ‘ekklēsia’ "O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor" ( Cl 1:13 ).

O que ocorre com o termo ‘ekklēsia’ é similar ao que ocorre com a palavra em inglês ‘butterfly’ (borboleta), termo que surgiu da junção de duas outras palavras ‘butter’ (manteiga) e ‘fly’ (mosca)[2]. ‘Butterfly’ não significa que borboletas são ‘manteiga de moscas’ ou ‘moscas de manteiga’.

Ora, deixando as discussões acadêmicas sobre a etimologia do termo ‘eclésia’, qual o significado do termo ‘eclésia’ que levou Jesus e os apóstolos a utilizarem o termo para fazer referência ao corpo de Cristo?

O escritor aos Hebreus pode nos esclarecer o significado do termo quando empregado no Novo Testamento:

"À universal assembleia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e ao os espíritos dos justos aperfeiçoados" ( Hb 12:23 )

O termo grego πανηγύρει (panéguris) traduzido por ‘universal assembleia’ remete a ideia de comunhão entre todos que compartilham de um ideal comum. Ora, por tratar-se do corpo de Cristo, certo é que o ideal do cristão é Cristo, o firme fundamento estabelecido por Deus ( Ef 2:20 ; 1Co 3:11 -12).

O corpo de Cristo, o templo do Deus vivo que estava na cidade de corinto, foi saldada e nomeada pelo apóstolo Paulo de santos, assim como todos que em todo lugar que creem em Cristo também são igualmente santos "À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso SENHOR Jesus Cristo, Senhor deles e nosso” ( 1Co 1:2 ).

A ‘universal assembleia’ não se restringe a pessoas de um determinado lugar ou de uma determinada nação, antes diz de qualquer que em qualquer lugar ou nação compartilhe do evangelho, a fé comum a todos que estão em Cristo "A Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: Graça, misericórdia, e paz da parte de Deus Pai, e da do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador" ( Tt 1:4 ); "Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos" ( Jd 1:3 ).

A composição da ‘universal assembleia’ se dá através do ‘espírito’, pelo qual judeus e gentios tem acesso a Deus ( Ef 2:18 ). E que ‘espírito’ é esse? O ‘espírito’ que vivifica, ou seja, o Novo Testamento, do qual todos que professam a Cristo são ministros "O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica" ( 2Co 3:6 ).

Há um só evangelho, ou seja, um só ‘espírito’, por isso é dito que o cristão deve preservar a ‘unidade do espírito’. Da mesma forma que há um só corpo, a igreja, há um só espírito, ou seja, o evangelho, de modo que há um só Senhor, uma só fé e um só batismo ( Ef 4:3 -6).

Assim como sabemos que todos os cristãos são um só corpo em Cristo, e ao mesmo tempo membros do seu corpo, Cristo é o ‘lugar’ em que cada um em particular está unido, portanto, os cristãos de todos os lugares (universal) constituem-se um assembleia "Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular" ( 1Co 12:27 ); "Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros" ( Rm 12:5 ).

Antes de Cristo, haviam dois povos: judeus e gentios. Os gentios estavam separados da comunidade de Israel, sem Deus no mundo, eram estranhos às alianças das promessas, longe de Deus.

O povo judeu recebeu o culto, a adoção de filhos, a glória, as alianças, a lei, o culto, as promessas, os pais, dos quais é Cristo, e apesar serem descendência de Abraão, não eram todos filhos de Abraão ( Ef 2:12 -13; Rm 9:6 -7). Não havia diferença significativa entre judeus e gentios diante de Deus, pois todos (judeus e gentios) pecaram e destituídos estavam da glória de Deus ( Rm 3:9 ).

Por intermédio da cruz Deus unificou os povos fazendo um só, destruindo a barreira de inimizade. Cristo, a paz que excede todo entendimento, foi anunciado aos judeus (aqueles que estavam perto) e aos gentios (aqueles que estavam longe), e dos dois povos foi feito um ao desfazer a lei dos mandamentos ( Ef 2:15 ), de modo que judeus e gentios tem acesso a Deus por intermédio do evangelho (mesmo espírito) “A saber, que os gentios são co-herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho” ( Ef 3:6 ).

Ora, pela destruição da barreira, os gentios que em outro tempo eram tidos por ‘estrangeiros’, ‘forasteiros’, agora em Cristo alcançaram nova condição: são concidadãos dos santos e da família de Deus ( Ef 2:19 ).

O termo grego ‘συμπολίτης’ traduzido por ‘concidadão’ refere-se aquele que é um nativo de uma mesma cidade, que possui a mesma cidadania que os outros, que em relação a língua grega remete aos nascidos na ‘polis’. O termo foi utilizado pelo apóstolo Paulo para evidenciar um contraste: a antiga condição de ‘forasteiros’ e ‘estrangeiros’ que os gentios carregavam em relação a comunidade judaica, e que na igreja de Cristo já não existe.

Ora, para ser participante da comunidade de Israel bastava ao prosélito se circuncidar, pois ser judeu não se dá por nascimento em uma cidade, mas pelo vínculo de sangue "Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu" ( Fl 3:5 ).

O termo grego ‘πολιτεία’ (politeia) aponta para um corpo de cidadãos, ou seja, indivíduos que possuem os mesmos direitos dentro de uma organização política e religiosa (pólis).

Quais os ‘direitos’ da comunidade de Israel? Às alianças da promessa, portanto possuíam esperança por pertencerem como povo a Deus.

De acordo com o pensamento comum, ekklēsia significa:

“1577 εκκλησια ekklēsia de um composto de 1537 e um derivado de 2564; TDNT - 3:501,394; n f 1) reunião de cidadãos chamados para fora de seus lares para algum lugar público, assembleia  1a) assembleia do povo reunida em lugar público com o fim de deliberar  1b) assembleia dos israelitas  1c) qualquer ajuntamento ou multidão de homens reunidos por acaso, tumultuosamente  1d) num sentido cristão  1d1) assembleia de Cristãos reunidos para adorar em um encontro religioso  1d2) grupo de cristãos, ou daqueles que, na esperança da salvação eterna em Jesus Cristo, observam seus próprios ritos religiosos, mantêm seus próprios encontros espirituais, e administram seus próprios assuntos, de acordo com os regulamentos prescritos para o corpo por amor à ordem  1d3) aqueles que em qualquer lugar, numa cidade, vila, etc, constituem um grupo e estão unidos em um só corpo  1d4) totalidade dos cristãos dispersos por todo o mundo  1d5) assembleia dos cristãos fieis já falecidos e recebidos no céu” Dicionário Strong.

O escritor aos Hebreus ao fazer referência a ‘igreja dos primogênitos’, demonstra que, para ser participante de tal ‘comunidade’ é imprescindível que o nome do indivíduo esteja escrito nos céus.

Para satisfazer esta condição não basta estar inscrito como membro de uma comunidade religiosa, ou seguir ritos e preceitos religiosos ou morais, antes é necessário ser participante da família de Cristo, ou seja, fazer a vontade de Deus "Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe" ( Mt 12:50 ); "Jesus respondeu, e disse-lhes: A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou" ( Jo 6:29 ).

Ora, após crer em Cristo, tornando-se da família de Cristo as prerrogativas de ser judeu ou grego desaparecem "Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor" ( Gl 5:6 ). As diferenças entre servo e livre são eliminadas "Onde não há grego, nem judeu, circuncisão, nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo em todos" ( Cl 3:11 ). Ser macho ou fêmea não faz ninguém diferente: melhor ou pior diante de Deus, e o motivo é específico: ‘Porque todos vós sois um em Cristo Jesus’ ( Gl 3:28 ).

Ora, o termo grego ἐκκλησία, transliterado ‘ekklésia’ quando utilizado por Cristo e os apóstolos tem o sentido de um corpo constituído de ‘IGUAIS’.  O que se buscou destacar com o uso do termo ‘ekklésia’ é a ‘igualdade’ pelo fato de que não há diferença entre os membros do corpo “Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito” ( 1Co 12:13 ).

Assim como a eκκλησία da Grécia Antiga, a principal assembleia da democracia ateniense, era constituída de iguais[3], o corpo de Cristo é constituído de iguais, daí deriva a designação πρωτότοκος (primogênitos) "Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo, porque todos participamos do mesmo pão" ( 1Co 10:17 ).

‘πανηγύρει καὶ ἐκκλησία πρωτοτόκων ἀπογεγραμμένων ἐν οὐρανοῖς’

“(à) reunião festiva e (à) reunião de (os) primogênitos arrolados em (os) céus”

Nesta passagem o termo ‘ἐκκλησία’ depende da leitura do termo ‘πρωτοτόκων’ (primogênitos), e como compreender o termo traduzido por ‘primogênitos’ no contexto?

O Verbo eterno ao ser introduzido no mundo passou à condição de o Unigênito (μονογενοῦς) Filho de Deus ( Jo 1:14 e 18; Jo 3:16 e 18; 1Jo 4:9 ). Quando ressurgiu dentre os mortos Jesus tornou-se o Primogênito de Deus, pois através da obediência de Cristo foram conduzidos



à gloria muitos filhos a Deus "Porque convinha que aquele, para quem são todas as coisas, e mediante quem tudo existe, trazendo muitos filhos à glória, consagrasse pelas aflições o príncipe da salvação deles" ( Hb 2:10 ).

O Verbo eterno ao se fazer carne tornou-se o único homem nascido de mulher gerado por Deus "Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei" ( Gl 4:4), ou seja, o único homem que em si mesmo teve a natureza divina por ter sido ‘lançado’ por Deus no ventre de Maria "Sobre ti fui lançado desde a madre; tu és o meu Deus desde o ventre de minha mãe" ( Sl 22:10 ). De retorno a Sua glória, Cristo assentou-se à destra da Majestade nas alturas e trouxe muitos filhos a Deus que, igualmente estão assentados com Ele nas regiões celestiais ( Ef 1:3 e Ef 2:6 ). 

Embora os cristãos sejam tal qual Cristo é ainda neste mundo ( 1Jo 4:17 ), só permanecem no mundo porque Jesus os comissionou assim como Deus enviou Jesus ao mundo "Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal (...) Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo" ( Jo 17:15 e 18).

Com relação a nascimento carnal Jesus é o Unigênito, e com relação a ressurreição dentre os mortos Jesus é o Primogênito, pois para isto os cristãos foram predestinados: para ser conforme a imagem do Cristo ressurreto, para que Ele seja ‘primogênito’ entre muitos irmãos ( Rm 8:29 ).

Cristo como ‘primogênito’ remete a ideia contida neste verso: "Mas ao filho da desprezada reconhecerá por primogênito, dando-lhe dobrada porção de tudo quanto tiver; porquanto aquele é o princípio da sua força, o direito da primogenitura é dele" ( Dt 21:17 ), de modo que pelo direito de primogênito compete a Cristo porção dobrada em relação aos seus muitos irmãos, que são coerdeiros com Ele ( Hb 2:10 ; Rm 8:17 ; Gl 3:29 ).

Ora, o termo grego ‘πρωτοτόκων’ aplica-se àquele nasceu primeiro considerando-se uma sequência “E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem” ( Lc 2:7 ). Esta característica de sequência aplica-se a Cristo, pois Ele é o primeiro a ressurgir dentre os mortos em relação aos muitos outros irmãos que ressurgiriam com Ele.

Já com relação a glorificação de Cristo, foi predito: "Ele me chamará, dizendo: Tu és meu pai, meu Deus, e a rocha da minha salvação. Também lhe darei o lugar de primogênito, o mais elevado dos reis da terra" ( Sl 89:27 ), e ao fazer referência a esta posição de Cristo no sentido de ‘preeminência’, é utilizado também o termo grego ‘πρωτεύω’ (próteuó), ou, dependendo do contexto ‘πρωτοτόκων’ (prototokos), pois o primogênito é aquele que tem preeminência entre os irmãos.

Cristo na posição de cabeça, a cabeça do corpo, além de ‘primogênito’ também é ‘preeminente’ entre os ressurretos com Ele "E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência" ( Cl 1:18 ); “PORTANTO, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus” ( Cl 3:1 -3).

O escritor aos Hebreus ao ler o Salmo 97, verso 7, aponta para a posição do Cristo assentado à destra da majestade nas alturas, registrando o seguinte: "E outra vez, quando introduz no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem" ( Hb 1:6 e Hb 1:3 ). Ao ser introduzido no mundo Cristo era o unigênito de Deus, mas agora assentado à destra da majestade nas alturas é o primogênito, pois herdou nome mais excelente ( Hb 1:4 ).

Considerando que a igreja diz do corpo de Cristo e, que o apóstolo Paulo destaca o fato de que sobre todas as coisas Cristo foi constituído a cabeça da igreja ( Ef 1:21 -23), segue-se que a igreja está acima de todo principado, autoridade, domínio e poder, pois há de julgar até mesmo os seres celestiais ( 1Co 6:3 ).

Segue-se que ao fazer referência ao corpo de Cristo como ‘eclésia’, o escritor aos Hebreus semelhante ao que fez o apóstolo dos gentios, destaca a posição hierárquica superior que o corpo de Cristo ocupa em relação a todas as coisas quando diz ‘a igreja dos primogênitos’ (ἐκκλησία πρωτοτόκων).

Daí a melhor leitura não seria a ‘igreja dos primogênitos’, destacando uma sequência de filhos gerados de Deus, e nem a posição dos Cristãos no corpo de Cristo como ‘preeminentes’ ( Rm 8:29 ). Ora, a posição de ‘primogênito’, como o primeiro ressurreto dentre os mortos só é possível a um, e não a muitos ( Cl 1:18 ). Cristo é o primogênito dentre os mortos e foi constituído a cabeça do corpo, portanto, Cristo é preeminente entre muitos irmãos semelhantes, visto que é o primeiro a ressurgir dentre os mortos ( Ap 1:5 ; Cl 1:15 ).

Ao fazer alusão ao corpo de Cristo como a ‘igreja dos primogênitos’, o escritor aos Hebreus estava destacando o fato de que todos no corpo de Cristo igualmente pertencem a Deus "Santifica-me todo o primogênito, o que abrir toda a madre entre os filhos de Israel, de homens e de animais; porque meu é" ( Êx 13:2 ); "Mas o primogênito de um animal, por já ser do SENHOR ninguém o santificará; seja boi ou gado miúdo, do SENHOR é" ( Lv 27:26 ).

O escritor aos Hebreus estava destacando que a ‘universal assembleia’ é constituída de indivíduos que pertencem a Deus (igreja dos primogênitos), vez que os seus nomes estão inscritos nos céus, mostrando que em Cristo todos são iguais, concidadãos dos santos e da família de Deus "Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus" ( 1Co 6:20 ).

O termo grego πρωτοτόκων (primogênitos) deve ser compreendido como uma espécie de hebraísmo[4], em que o termo grego foi utilizado para demonstrar que os cristãos são propriedades exclusivas de Deus, assim como eram os ‘primogênitos’ e as ‘primícias’ na Antiga Aliança "Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro" ( Ap 14:4 ).

Os que creem em Cristo tonam-se propriedades de Deus, e o termo ‘primícias’ é utilizado para fazer referência a essa condição, introduzindo a ideia de que tanto judeus quanto gentios, escravos quanto livres, mulheres e homens, etc. ( Gl 3:26 -29), igualmente pertencem a Deus "Agora vos rogo, irmãos (sabeis que a família de Estéfanas é as primícias da Acaia, e que se tem dedicado ao ministério dos santos)," ( 1Co 16:15 ); "Saudai também a igreja que está em sua casa. Saudai a Epêneto, meu amado, que é as primícias da Acaia em Cristo" ( Rm 16:5 ).

Portanto, quando lemos a asserção: "Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela" ( Mt 16:18 ), a ênfase do termo ‘ekklēsia’ está na pedra que dá base de sustentação ao templo. Se a ênfase é a pedra de esquina, a pedra viva que os edificadores rejeitaram, todas as outras pedras utilizadas na ‘edificação’ do corpo possuem as mesmas propriedades: são pedras vivas.

Diferenças sociais, econômicas, nacionalidades, etc., deixam de ser levadas em consideração, pois em Cristo é o lugar: "Onde não há grego, nem judeu, circuncisão, nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo em todos" ( Cl 3:11 ), pois todos são propriedade de um mesmo Senhor .

Se estas diferenças não são levadas em conta no corpo, segue-se que este deve ser o comportamento dos filhos de Deus: “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também. E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição” ( Cl 3:13 -14).

Este deve ser o posicionamento dos membros do corpo de Cristo:

"Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão, nem a incircuncisão tem virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura" ( Gl 6:15 );

"Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor" ( Gl 5:6 );

"A circuncisão é nada e a incircuncisão nada é, mas, sim, a observância dos mandamentos de Deus" ( 1Co 7:19 ).

Como ser uma nova criatura? Crendo em Cristo, pois este é o mandamento de Deus. Crer em Cristo é o mandamento que se deve obedecer, ou seja a fé (evangelho) que opera pelo amor (obediência).

Todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso SENHOR Jesus Cristo constituem a ‘ekklēsia’ de Deus, o corpo de Cristo, pois igualmente pertencem a Deus.

A ekklēsia da Grécia Antiga era formada por filhos de moradores naturais da polis, ou seja, que pertenciam a pólis[5], e a ekklēsia de Deus é formada pelos santificados em Cristo, ou seja, que pela obediência a sua palavra passaram a pertencer a Deus "À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso SENHOR Jesus Cristo, Senhor deles e nosso” ( 1Co 1:2 ); "Porque, assim o que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos" ( Hb 2:11 ); "Para lhes abrires os olhos, e das trevas os converteres à luz, e do poder de Satanás a Deus; a fim de que recebam a remissão de pecados, e herança entre os que são santificados pela fé em mim" ( At 26:18 ).

Os membros do corpo de Cristo não podem ser aceitos ou desprezados por suas diferenças socioeconômicas, como bem disse o apóstolo Paulo:

“Porque, comendo, cada um toma antecipadamente a sua própria ceia; e assim um tem fome e outro embriaga-se. Não tendes porventura casas para comer e para beber? Ou desprezais a igreja de Deus, e envergonhais os que nada têm? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto não vos louvo” ( 1Co 11:21 -22).

O irmão Tiago, por sua vez, alerta quanto a privilegiar os cristãos convertidos dentre os judeus em detrimento aos convertidos dentre os gentios:

“MEUS irmãos, não tenhais a fé de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas. Porque, se no vosso ajuntamento entrar algum homem com anel de ouro no dedo, com trajes preciosos, e entrar também algum pobre com sórdido traje, e atentardes para o que traz o traje precioso, e lhe disserdes: Assenta-te tu aqui num lugar de honra, e disserdes ao pobre: Tu, fica aí em pé, ou assenta-te abaixo do meu estrado, porventura não fizestes distinção entre vós mesmos, e não vos fizestes juízes de maus pensamentos? Ouvi, meus amados irmãos: Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam? Mas vós desonrastes o pobre. Porventura não vos oprimem os ricos, e não vos arrastam aos tribunais? Porventura não blasfemam eles o bom nome que sobre vós foi invocado?” ( Tg 2:1 -7).

O irmão Tiago utiliza os termos ‘abatido’ e ‘rico’ não do ponto de vista socioeconômico. É necessário entender o exemplo que Tiago apresentou: na comunidade judaica não havia distinção quanto a pobreza e riqueza, antes a distinção era com relação a ser circuncidado ou não (estrangeiro e forasteiros). Era um absurdo fazer distinção entre descendentes da carne de Abraão, pois seriam tidos como transgressores da lei.

No entanto, a premissa do evangelho é que Deus escolheu os abatidos (pobres) e rejeitou os ‘ricos’ (altivos), de modo que agora em Cristo não podiam rejeitar os gentios que haviam se convertido ao evangelho. Alguns cristãos convertidos dentre o judaísmo estavam fazendo acepção nas reuniões de cristãos convertidos a Cristo, privilegiando aqueles que eram judeus por natureza (ricos), ou seja, aqueles que condenaram e mataram ‘... o justo; ele não vos resistiu’ ( Tg 5:6); “Mas glorie-se o irmão abatido na sua exaltação, e o rico em seu abatimento; porque ele passará como a flor da erva” ( Tg 1:9 -10).

O corpo de Cristo é constituído de iguais, daí a pergunta: "Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?" ( 1Co 4:7 ).

Um membro do corpo de Cristo não pode desprezar ou julgar o outro, antes cada um em particular deve considerar o outro superior a si mesmo "Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo" ( Fl 2:3 ); “Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo” ( Rm 14:10 ); “ORA, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre dúvidas. Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu. Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio SENHOR ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar. Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o SENHOR não come, e dá graças a Deus. Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos o u morramos, somos do Senhor” ( Rm 14:1 -8).

 

[1] "Eclésia - ‘eκκλησία’ (transl.: ekklesia) era a principal assembleia da democracia ateniense na Grécia Antiga, da qual só podia participar os cidadãos do sexo masculino, filhos de pais natural da pólis (cidade grega), com mais de dezoito anos e que tivesse prestado ao menos dois anos de serviço militar" <http://pt.wikipedia.org/wiki/Eclésia> Consulta realizada em 12/04/15; “Igreja [Eclésia]. Reunião, assembleia. A palavra aplica-se a qualquer assembleia, como, por exemplo, ao ajuntamento do povo em Éfeso (At 15.4), e a Israel, chamado do Egito e, reunido no deserto (At 7.38). Israel era uma verdadeira igreja, mas em nenhum sentido a igreja do N. T., pois a única semelhança entre as duas é que ambas foram chamadas para fora. No mais, tudo é contraste. Na Bíblia o termo nunca se aplica a um edifício material” McNair, S. E., Pequeno Dicionário Bíblico, CPAD, Pág. 1499. 

[2] Cara, Robert. Cuidado com o significado oculto da raiz de uma palavra, Artigo disponível na Web <http://www.ministeriofiel.com.br/artigos/detalhes/715/Cuidado_com_o_Significado_Oculto_da_Raiz_de_uma_Palavra>  Consulta realizada em 12/04/15.

[3] Embora por definição a eκκλησία fosse uma assembleia popular, a principal assembleia da democracia ateniense na Grécia Antiga, contudo não tinha nada do ideário que hoje consideramos ‘popular’. Era uma assembleia restrita a aproximadamente 10% da população, visto ser acessível somente aos cidadãos do sexo masculino, com mais de dezoito anos, que tivessem prestado pelo menos dois anos de serviço militar e que fossem filhos de pais natural da pólis, ou seja, excluía os comuns do povo, as mulheres, as crianças, os forasteiros, os estrangeiros (Metecos: Μέτοικος), e os escravos.

[4] ‘Hebraísmos’ diz de certas expressões e maneiras peculiares ao idioma hebraico na construção de figuras, enigmas e provérbios, isto do ponto de vista linguístico. 

[5] “... não se deve crer que cada cidadão pertence a si mesmo, mas que todos pertencem à cidade, porque cada um é parte dela...” Aristóteles, A Política.


postador por: Claudio F. Crispim

Nasceu em Mato Grosso do Sul, Nova Andradina, em 1973. Aos 2 anos, sua família mudou-se para São Paulo, onde vive até hoje. O pai ‘in memória’ exerceu o oficio de motorista de ônibus coletivo e a mãe comerciante, ambos evangélicos. Claudio Crispim cursou o Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública na Academia de Policia Militar do Barro Branco e, desde 2004 exerce a função de Tenente da Policia Militar do Estado de São Paulo. É casado com Jussara e é pai de dois filhos, Larissa e Vinícius. É articulista do Portal Estudo Bíblico (www.estudobiblico.org), com mais de 200 artigos publicados e distribuídos gratuitamente na web.

Create Account



o que você procura ?